Opinião – Maria Laranjinho

 O 1º ciclo bateu no fundo com a indiferença de quase todos, inclusive dos sindicatos. Verdade seja dita que este ciclo nunca fez parte da agenda de negociações, na medida em que todas as mudanças foram acontecendo paulatinamente, e aceites no meio de uma “rabugice silenciosa” da parte dos docentes deste nível de ensino. Os sindicatos sempre que iam a reuniões levavam muitos assuntos para debater, mas não do 1º ciclo. Poucos docentes ou nenhuns tem a carga horária, os vários níveis de anos de escolaridade ou níveis de aprendizagem que tem uma sala de 1º ciclo. Já para não falar dos alunos com NEE misturados com mais de um ano de escolaridade, chegando a haver 5 e 6 alunos com esta especificidade, por turma entregues a maior parte do tempo à responsabilidade do professor titular. Isto deve-se às poucas horas de apoio especializado que estes alunos tem, para que possam poupar dinheiro e não colocar mais professores. As AEC são a cereja no topo do bolo. Se há escolas que conseguem terminar as aulas curriculares às 16h, e só iniciar as AEC às 16h 30, uma grande parte não o faz porque as câmaras querem poupar dinheiro, e então numa promiscuidade inaceitável misturam um pouco de tudo, arrastando para o final do dia as atividades letivas. Com a introdução do inglês, as coisas ainda pioraram mais, com furos pelo meio, para o professor titular concluindo as atividades 4 dias por semana, às 17h 30m. É aberrante toda a situação. Talvez se resolvesse se houvesse maior solidariedade de classe, e os professores dissessem basta, até serem ouvidos. microfone

Ana Rodrigues Martins -3

Primeiro vieram as AECs, ali pelos idos de 2005… De um dia para o outro e sem nada ser discutido ou preparado, as escolas do 1 ciclo viram-se a braços com um novo regime de funcionamento, com a introdução no espaço escolar de umas actividades que visavam entreter os meninos e aliviar as famílias dessa tarefa hercúlea, que é terem de lidar com os filhos e os seus horários escolares. Era a resposta social da escola às famílias, bradavam todos com entusiasmo.

10388089_832852873419268_4213830406109876393_nAs AECs logo se revelaram um logro e uma pesada herança para escolas, alunos e professores que viram os seus horários sobrecarregados, as suas vivências atropeladas e a sua rotina devassada… Mas ninguém se preocupou com a avaliação do assunto.
Passaram muitas fases, desde aquela em que os professores do 1º ciclo supervisionavam as actividades, da outra em que paravam as suas aulas para entrarem as AECs, da outra ainda em que lhes exigiam que avaliassem as atividades, até à actual em que têm diariamente que dirimir com pais, alunos e auxiliares, os litígios das actividades do dia anterior.
Veio depois o dia, há dois pares de anos, em que a tutela percebeu que se usasse de astúcia poderia manter os meninos do 1º ciclo ocupados, poupando dinheiro. Vai daíacabou com um turno de AECs e aumentou o horário aos professores do 1 ciclo em meia hora diária. Correu-lhes bem a manha, de modo que, dois anos depois, nova epifânia:
Passar o inglês a atividade curricular e pagar menos duas horas de atividades semanais. Desta vez correu ainda melhor, de uma só cajadada agradaram a pais e aos muitos professores de inglês sem trabalho que assim viram aumentar as suas hipóteses de um horário. Este ano a coisa alargou ao 4 ano e, em vez de duas horas menos de AECs semanais, passaram a quatro por cada duas turmas de 3º e 4º anos.
E o desemprego docente vai sendo mascarado. E os monitores das AECs vão andando entretidos pensando que são professores. E os lobbies mais díspares, vão percebendo que no 1º ciclo tudo cabe e tudo se arranja, aproveitando por isso a oportunidade para abocanharem o seu quinhão. É assim que agora “alguém” se lembra que os pobres meninos do 1º ciclo, um dia inteiro entregues aos incapazes dos professores do 1º ciclo, precisam de atividade física, essa disciplina que os tais incapazes jamais conseguiriam lecionar de forma cabal… Portanto para o ano, com o aplauso geral, os alunos do 1º ciclo terão finalmente a tão desejada e merecida educação física, imaginando eu que, uma vez mais, os professores do 1º ciclo esperarão pacientemente que alguém “credenciado” entre pelo seu horário e trabalhe com a sua turma, para depois retomarem a sua actividade lectiva, quem sabe até às 18 ou 19 horas… Finalmente, talvez a escola vire abrigo em vez de resposta social às famílias e vivamos todos felizes para sempre… O pior é que os professores do 1º ciclo não são o burro do espanhol, um dia vão cair para o lado.
Ninguém aguenta tanta desfeita indefinidamente, vejam lá a vossa vida.

Envelhecimento docente / Paulo Guinote

up+main

Um fenómeno evidente e que ainda bem que vai tendo direito a alguma atenção pública, embora, infelizmente, parte dela suscitada por alguns dos actores activos nas políticas que a ele conduziram. Até poderíamos agradecer a mudança de opinião se isso viesse acompanhado de alguma admissão da falta de visão (e não apenas do canónico “foi a troika”, porque não é verdade) e não por algo que quase parece acusar as pessoas de irem envelhecendo. Não foram os professores que tornaram as condições de aposentação indignas para quem trabalha, por exemplo, há 30 anos ou mais e para ir embora leva pouco mais de meio salário que o resto leva o espírito santo…

Teresa Gui – Recomeço

Ainda me lembro do tempo em que aguardava ansiosamente pelo recomeço…

Sentia alegria. O início sempre emotivo, significava rever amigos, ver ou conhecer novos alunos. A expetativa do novo ano, soava-me sempre a aventura e realização!
Os anos foram trazendo o cansaço, o desencanto e o entusiasmo foi esmorecendo. O mês de setembro passou a não ser bem vindo, com o vento e os dias cinzentos, carregados de folhas esvoaçantes, vinha o receio de não ser capaz de aguentar tantas mudanças e pressão. Os desafios já não me fazem vibrar como outrora. A curiosidade de conhecer novas terras, outros sorrisos , outras amizades, já não são motivos suficientes, nem me convencem…
“Não sei em que parte do caminho tudo se perdeu, mas conheço os responsáveis.” Parte de mim se alimenta de saudade, Saudade dos sorrisos tímidos, do apego sincero entre eles e eu, do tempo em que havia tempo, para sentir e não apenas fazer! E fazíamos tanto!

turma_mista21

Professor do 1ºciclo é o homem dos sete instrumentos

Ao professor do 1ºciclo é pedido planificação e desempenho letivo de múltiplas disciplinas.

Como é evidente, cada um dos professores tem maior apetência para desempenhar melhor ou pior o seu papel, em cada uma das disciplina, num diversidade tão complexa e exigente. Dizer que alguns professores preferem dar mais enfoque a uma disciplina de expressões artísticas e físico-motoras é absolutamente normal. Já dizer que um professor ostraciza uma disciplina, ponho as minhas dúvidas, sem poder apresentar provas, afirmo aqui que são casos raros, e não generalizados, como por vezes se pretende fazer crer. A dificuldade de instalações próprias para determinadas disciplinas está menos generalizada, e o excelente empenho dos professores nunca foi posto em causa.

Resultado de imagem para homem dos sete instrumentos significado

Opinião – Paula Oliveira Magalhães

 Os Sindicatos foram coniventes com tudo o que se tem passado. Os professores do 1º Ciclo tem sido penalizados por todos os acordos que vocês (Fenprof) têm assinado com os diversos governos . Não falo pelos outros graus de ensino, sei que também não estão bem, mas nós fomos de todos os mais penalizados. Perdemos regalias presentes no Estatuto da Carreira Docente, que tanto nos custou a conseguir. Vimos as nossas horas letivas aumentarem, em virtude de atividades antes presentes na componente letiva, terem passado para a componente não letiva; temos um horário cheio de furos devido às AEC, Inglês e a nossa componente letiva baixou para o período após as 16 h , temos supervisão das AEC , na nossa componente não letiva , reuniões de ano, de departamento de articulação ; uma carga burocrática excessiva e desnecessária no seu conjunto e o pior de tudo perdemos o nosso regime Especial de Aposentação , que nos diferenciava da diferença de carga horária dos docentes dos outros graus de ensino. A aposentação aos 36 anos de docência para todos os docentes, deixa os docentes do 1º ciclo numa situação altamente desfavorável face aos seus pares, pois nessa altura já teremos trabalhado mais cerca de sete anos do que vós. Achas que estamos contentes? Agora aumentaram o calendário escolar no 1º ciclo, sabes ninguém vai para férias em início julho, como por aí se diz, também somos chamados a vigiar exames do 3º ciclo e secundário e é um mês cheio de reuniões para conclusão da papelada do ano letivo. Vocês marcam greves por tudo e por nada quando se trata de defender os outros graus de ensino, mas na questão do 1º ciclo não passam dos comunicados que mais parecem desculpas. Pago as minhas quotas, achas que estou contente com a actuação do Sindicato? Não estou! E cada vez que o Mário Nogueira vai a reuniões a Lisboa só me questiono o que virá desta vez! Estou farta João Paulo! Farta de pagar quotas e ser “lixada” nos meus direitos adquiridos com bastante luta , greves ao longo de 27 anos!

12835012_1308352719181389_901232209_n