Opinião – José Manuel Alho

“Apesar da aparente tranquilidade, subsistem sérios e múltiplos problemas que, a qualquer momento, ameaçam estilhaçar tão instável filigrana. Confirma-se a saga das reformas e das contrarreformas, a celebrar o experimentalismo que tem esgaçado o nosso sistema educativo. Um caos. Daí que falte rotina e previsibilidade a um setor violentamente massacrado por interesses e tendências usualmente cavernosos. Persistem iniquidades e preconceitos vários a dinamitar um terreno que já conheceu melhor céu. Nesse particular, o 1.º Ciclo rompe(u) com todos os limites do defensável!”

fd784-fim2bdo2bbravio

Desistência do cansaço – Um debate em tempo de fadiga profissional

Eu elogio, tu criticas, ele elogia, nós criticamos, vós elogiais, eles criticam.Resultado de imagem para Discussão

Assim vai a discussão pública do plano de reforma do governo para o ensino básico.

Alexandre Henriques:A informação ainda é pouca, principalmente ao nível da sua operacionalidade, aliás, das muitas reformas a que assisti, a grande dificuldade foi sempre a passagem da teoria à prática, cumprindo com a ideia base.

Algumas ideias parecem-me interessantes, principalmente a flexibilização no ensino e o fim das áreas curriculares de primeira e de segunda.

Paulo Guinote: Não sei se ria, se chore. A montanha de sábios deu à luz um conjunto de generalidades que nos faz recuar mais de 20 anos em termos de conversa fiada, bem intencionada, não duvido, mas completamente vazia de verdadeiro significado ou sequer de novidade. O problema não é isto não se adaptar à nossa realidade, é adaptar-se a qualquer realidade, incluindo – com acertos – às escolas dos klingons. Fica aqui documento completo (perfil-alunos-verfinal). Veja também “Português Suave”

ArlindoEstas competências são complementares e a sua enumeração não pressupõe qualquer hierarquia interna entre as mesmas. Nenhuma delas, por outro lado, corresponde a uma área curricular específica…

Ana Rodrigues Martins: … reformas tipo erecção matinal onde quem se fecundava eram sempre os mesmos!

É fantástico como se copiam quase na integra documentos, dando-lhes uma outra roupagem, traduzindo-os e pretendendo fazê-los passar como o último dos ideais para uma sociedade distinta, com características tão suas!