Sou professor contratarado e… feliz!

Bom dia! Eu sou o Ernesto Alegria, nasci em Currais do Meio há quarenta e tal anos, casei há quinze dias e, sinceramente, prefiro ficar anónimo neste artigo, porque… nunca se sabe, não é verdade? Eles estão por todo o lado. Mais vale prevenir do que remediar. Mas… adiante, que se faz tarde.

Comecei a deduzir que seria masoquista, por volta dos dezassete ou dezoito anos, não sei precisar muito bem, quando levei um valente coice do burro do Zé Farrapo. Não, não apanhei choque nenhum. Até gostei! Depois, confirmei que o era (e sou) realmente, quando apanhei o Amâncio, o meu melhor amigo, na praia, a espalhar bronzeador no corpo impoluto da minha namorada, a Adosinda, filha do Toninho Aldra, o merceeiro de Currais. E gostei, pois claro! Então pus-me a pensar e disse cá para os meus botões: «Ernesto, se tu gostaste daquilo e ainda gostaste mais disto, é porque tu és um valente masoquista!» Fiquei muito feliz com esta constatação, que veio no momento mais propício da minha vida: estava na idade de escolher a profissão. […]

Fonte: Luís Costa – blog Eramá