O cuidado sindical – Paulo Serra

Lembrar a história: a contestação ao governo Sócrates com as manifestações sucessivas de muitos milhares de professores, e a ameaça à doutrina que iria implementar (não me vou alongar na justificação) levou a ministra Milu e a incompetente e virtual Alçada a decidir acabar com requisições, destacamentos, etc. Sindicalistas, professores em comissões fora das escolas, voltou tudo à base. Lembro-me, numa cidade, que fecharam 4 delegações de sindicatos diferentes.

received_1500546060026409.jpeg
https://www.facebook.com/groups/113598491999570/?multi_permalinks=2168403589852373&notif_id=1508656985236370&notif_t=like

Uma estrategia brilhante

 Lecionar  turmas com alunos mal-educados e desinteressados, no primeiro ciclo exige estratégias diferenciadas por parte dos professores. Um contacto constante, diário, com o Encarregado de Educação, com a utilização de grelha semanal no caderno de casa, com a matéria leccionada e todos os comportamentos diários do aluno (abrangendo até as atividades extra currículares)  assinados diariamente pelo Encarregado de Educação, ou em alternativa a ClassDojo.

Outra estratégia, passa pela  atribuição de pontos, positivos e negativos, a cada comportamento do aluno, e definir um objetivo pontual para participar num evento de final de ano, ou de período.

Finalmente, nem sempre a monodocência por quatro ano, com a mesma turma é a melhor solução, para alunos e professores. Ao fim de quatro anos há um cansaço natural das várias partes intervenientes, pais, professor e alunos

A chamada “chicotada psicológica” até pode fazer sentido, e melhorar aspectos em que o desgaste quotidiano escolar já estragou o que inicialmente era brilhante. Infelizmente para isso acontecer é quase sempre necessário o professor sair da escola, (concorrer) pois a continuidade pedagógia é quase um dogma na escola portuguesa.

d21f0-dead-poets-society-robin-williams-32089561-3000-2014

 

Há Sempre a Esperança… — O Meu Quintal

… que uma centelha do génio de Goscinny se reencontre a cada novo álbum do Astérix, ao longo de quase 40 anos. Se é bem verdade que os tempos catastróficos dos últimos álbuns de Uderzo a solo estão claramente ultrapassados, ainda há muito de pastiche bem comportado em vez de verdadeira reinvenção (nem o Uderzo […]

via Há Sempre a Esperança… — O Meu Quintal