Robles em três andamentos — A Estátua de Sal

(Vários, in Facebook, 28/07/2018, selecção da Estátua de Sal) (Este alarido todo faz-me sorrir: exige-se à esquerda, para ser coerente, que seja espartana. E tem-se como “normal” que a direita, para ser coerente, seja ávida, implacável no saque, sovina na acumulação. Sempre assim foi na luta política, e sempre assim foi o pensamento dos direitolas: a esquerda que coma moral ao pequeno almoço que nós comemos ovos estrelados… Aqui deixo três reflexões sobre o tema Robles.

via Robles em três andamentos — A Estátua de Sal

E o quarto “la grande final” com demissão!

Quem será o próximo ministro da Educação?

Seja qual for o resultado eleitoral, salvo com uma improvável maioria do PS, a pasta da Educação mudará de mãos. Mesmo no  PS já perceberam que necessitam de recuperar a confiança dos professores, com alguém da área da Educação,   de competência  e peso político inquestionáveis, e que não tenha sido um dos ecos deste ministério.

Não invejo a tarefa de Costa, caso ganhe eleições. Entregar esta pasta ao BE, caso se prefile um governo partilhado, não será possível,  por ser visto sem lupa como presente envenenado  (ao PCP também não por motivos óbvios). Resta talvez nomear para a pasta uma figura de prestígio não vinculada a partidos. O futuro o dirá, a distância já é  curta. O atual ministro e a sua equipa já gastaram todas as fichas na atual legislatura e perderam claramente.

Uma verdadeira  reforma  pode ser um desafio aliciante e complexo do novo senhor da Educação. Sem reforma na Educação será o final de ciclo da atual solução governativa.

Aposto no empenho de Marcelo, até agora remetido ao silêncio,   na criação de pacto que possibilite a retoma do empenho e econfiança dos professores. Mas isto sou eu a pensar alto,  armado em otimista.

O a(Deus) a Tiago lhe mostre porque já  pedem a sua demissão!

pacto-educativo.JPG