Morrer sem querer

A Estátua de Sal

(Dieter Dellinger, 16/12/2018)

bloco.jpg

Ouvi no noticiário da vergonhosa TVI, a não menos vergonhosa bastonária da Ordem dos Enfermeiros, CAVACO, dizer que estão a morrer pessoas por falta de cirurgia.

A nova “Anjo da Morte” portuguesa culpa o governo no sentido de que ou fazem o que ela quer ou matam milhares de portugueses.

É um abuso de uma falsa autoridade sobre a classe dos enfermeiros dos blocos operatórios, principalmente quando os dois novos sindicatos tinham poucas pessoas inscritas, mas agora têm todos os profissionais auxiliares dos blocos operatórios que , para receberem os 1.200 euros por mês de greve, são obrigados a estarem inscritos nos dois sindicatos do PSD de RUI RIO.

Dinheiro que não acredito que foi doado por outros enfermeiros, já que as enfermeiras dos blocos são cerca de 5.000, segundo um noticiário, e um mês de greve corresponde a 6 milhões de euros que só pode vir…

View original post mais 239 palavras

O Que Querem Dizer Exactamente Com “Decisão Pedagógica”?

O Meu Quintal

Escrevo hoje, domingo, porque ainda não tive qualquer reunião e assim não deverá existir a hipótese de qualquer tipo de controlador aéreo inferir que me estou a referir a um qualquer caso concreto que tenha experienciado na semana de avaliações que se aproxima.

Até porque nem sequer estamos no final do ano lectivo que é quando esta coisa da “decisão pedagógica” mais ataca perante situações em que está em causa a retenção/transição.

E já percebi que a prosa vai ser longa, tipo introdução a um qualquer decreto-lei flexível ou inclusivo.

A expressão surge amiúde em normativos, directivas, instruções, recomendações e demais poluições que nos atacam sempre que se trata da avaliação dos alunos, reduto que alguns consideram ser o último do poder dos professores. Sim, há casos em que realmente existe um mau uso da avaliação como forma última de alguma sensação de “poder”. Dou isso de barato, porque já…

View original post mais 1.090 palavras

Avaliações no 1º ciclo

1 – O conselho de docentes, para efeitos de avaliação dos alunos, é constituído, no 1.º ciclo, pelos professores titulares de turma. (os professores de apoio e de Inglês apenas podem estar presentes sem direito a voto)

– O conselho de docentes emite parecer sobre a avaliação dos alunos apresentada pelo professor titular de turma.