Reuniões temáticas

Luís Costa

19 de fevereiro às 21:49 ·

O Ministro da Educação convidou os sindicatos para MAIS uma ronda negocial. E os sindicatos, como manda a boa educação, aceitaram o generoso convite. 
Noutros tempos, isto era igual a nada. Só a valsa das propostas, de ambos os lados, em constante rodopio, é que interessava verdadeiramente. A questão das negociações não era notícia. Hoje, porém, conseguir dançar com o Governo é já uma grande conquista, digna de festança da grossa e até às tantas, porque… às tantas… se descontarmos o cansaço, não se vai notar nada entre o antes e o depois do frufru negocial.

Tenho cá para mim que já é tempo de introduzir alguma novidade nestas negociações, que devem ser uma seca, sem nada para decidir realmente (porque um não quer e os outros não podem). Imagino aquelas vítimas todas a olharem constantemente para o relógio, em acérrima luta contra o torturante tempo psicológico… Por isso, sugiro que passem a fazer reuniões temáticas. Para a primeira, por exemplo, o Mário Nogueira, o João Dias da Silva & Companhia podiam ir vestidos de condenados, assim como quando Egas Moniz foi entregar-se a Afonso VII de Leão e Castela ― que, neste caso, poderia ser Tiago Brandão Rodrigues ― por causa das manias de D. Afonso Henriques ― que poderia inspirar André Pestana, mas não foi convidado para o baile. Alexandra Leitão poderia vestir-se de D. Urraca. João Costa… podia ir de mouro, por causa das vestes folgadas e flexíveis, que tudo escondem.

E pronto, aqui fica uma sugestão, sublimemente construtiva e francamente animadora, que tem pernas para… dançar. Se entenderem por bem agendar outro bailarico por alturas do Carnaval, podem passar a outro tema, para quebrar a monotonia: as múmias do Egito, “A Guerra das Estrelas”, “Avatar”, “Noddy”… Perto da Páscoa, podem inspirar-se na Paixão de Cristo e no Calvário (e aí já não arrisco dizer quem podia vestir-se de quem). Podia acabar crucificado!

Enfim, a minha ideia genial dá pano para mangas. E não é preciso muita imaginação para encontrar temas. Basta haver negociações e vontade de dançar à maneira.