Uma mensagem para esclarecer e tranquilizar os professores

Esta noite até já durmo mais descansado!

https://escolarizar.wordpress.com/2019/05/03/recuperacao-942-mas-afinal-de-que-vitoria-fala-mario-nogueira/

…A aprovação da contagem integral do tempo de carreira congelada “é já uma vitória dos professores“, diz Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof. Em declarações à TVI, o sindicalista mostrou estar satisfeito mas espera agora que se entre “numa fase diferente”: a luta pela contabilização já em 2019 dos dois anos, nove meses de dois dias aprovados pelo decreto do Governo.

O governo apenas quer, na melhor das hipóteses, que um terço desse tempo, ou seja, 11 meses sejam considerados a partir de junho de 2019. Os outros dois terços só para depois, mais tarde”, disse Mário Nogueira.

O secretário-geral da Fenprof disse que se sente satisfeito, mas “sobretudo terão de estar os professores”. “Nós só estamos aqui a assistir nisto e temos este resultado até agora porque os professores nunca baixaram os braços e nunca deixaram de lutar…

Rio – A ganhar tempo para retomar a iniciativa

Silêncio, para já. Rio só fala no domingo
https://sicnoticias.pt/pais/2019-05-04-PSD-pondera-mudar-de-posicao-sobre-lei-dos-professores

O líder do PSD só fala amanhã sobre a ameaça de crise política. Rui Rio passou as últimas horas a ouvir e a falar com personalidades dentro e fora do partido. 

Isto dos professores já chateia

Isto dos professores já chateia

Isto dos professores já chateia! Querem tudo e mais alguma coisa! – Em voz bem alta a senhora olhou em redor certificando-se que todos no café a tinham ouvido. 
Ao balcão o homem de bigode sorriu e concordou com ar de enfado. No canto escuro um jovem soltou um “ya” sem tirar os olhos do telemóvel…

A crise governamental pelo Facebook

Em face do descalabro que se assistiu com o governo do PSD/CDS em toda a linha, e também na profissão de Professor, (governo esse que foi, inclusive, mais além da Troika), voltam a esquecer tudo o que lhes foi feito e parecem ter palas nos olhos.

Mas por acaso este governo, pese embora não se ter proposto a restituir a totalidade desse tempo, pelo menos por enquanto) não se propôs a restituir um tempo desses 9 anos? Não é melhor do que nada?

O que fizeram o PSD e o CDS quando lá estiveram?

E como não conseguem ver a hipocrisia e o aproveitamento notório do PSD e CDS, que sempre se mostraram preocupados com a contenção de despesas, agora estarem “benevolentemente” do lado dos que mais criticam, PCP e Bloco, para votarem uma proposta que vai dar um corte no orçamento do Estado que eles tantas vezes se preocuparam em, quase religiosamente, defender? Hugo Santos‎ para Professores

Sonia Pereira Rostami Melhor mesmo seria não terem esta obsessão em destruir a carreira docente e a Escola Publica. Melhor mesmo seria reverterem as atrocidades que têm vindo a acumular na Escolas. Melhor mesmo seria o PS devolver a gestão participada às Escolas, acabar com os horários ilegais e aberrantes.
Ao PS exigia-se outra cultura democrática e mais respeito pela causa pública e pelos trabalhadores da Educação.
Melhor mesmo seria o PS não se aliar ao PSD sempre que é preciso aprovar leis que enterram o povo em detrimento do capital. 
O sr PM estará esquecido que o PS aprovou a recomendação da contagem integral? Andamos todos com falta de memória? 
Melhor seria o PSD ter aprovado quando teve oportunidade ao invés destes jogos políticos que não nos vão levar a lado nenhum se não a mais um logro.
A chantagem do PM é inaceitável. Tanto quanto a posição destes partidos nas últimas 2 décadas. 
PS, PSD e CDS querem lá saber da Escola Pública! Querem os votos dos professores e muitos votarão neles por preconceito pelos mais à esquerda.

União dava mais resultado!

Provas de aferição


https://observador.pt/especiais/provas-de-afericao-onde-falham-os-alunos-quando-e-preciso-raciocinar/

Os relatórios das provas de aferição, que acabam de ser revelados, mostram que a grande dificuldade dos alunos do Básico surge quando é preciso raciocinar, argumentar e relacionar conceitos.

Quando a pergunta é simples, sem rasteira e de conteúdos fáceis de memorizar, os alunos do Básico conseguem acertar na resposta, com maior ou menor dificuldade. Mas quando os mesmos conteúdos implicam capacidade de raciocínio e de interpretação do que foi aprendido na sala de aulas, os resultados caem a pique.Esta é uma das principais conclusões que se pode tirar do Relatório Nacional 2016-2017 sobre as provas de aferição do Ensino Básico, divulgado esta terça-feira pelo IAVE, Instituto de Avaliação Educativa.

O retrato dos alunos, que vai tendo alterações suaves à medida que avançam no percurso académico, é este: grande dificuldade em interpretar textos, escrita pejada de erros ortográficos e gramaticais, incapacidade de resolver problemas com frações e grandes bloqueios no cálculo.

No 1º ciclo os alunos em geral parecem ir bem preparados.
A pressão para transitarem de ciclo faz com que alguns precisassem de mais um ano no 4º ano