Voltem à mesa das negociações e sejam patriotas

Uma greve justa e desesperada que pode prejudicar o país. Precisamos de bom senso. Se esta greve se agravar vamos perder todos.

Paulo de Morais

14 h · 

“A imagem de militares fardados a conduzir camiões de carga de privados (neste caso a TSA) tem um duplo significado: 
Por um lado, o abandalhamento da função militar, com militares a cumprirem o papel de ajudantes de motorista da “Transportes J. Amaral”. O Chefe de Estado Maior General das Forças Armadas jamais deveria permitir esta imagem deprimente. 
E, por outro… Se há requisição civil, os motoristas requisitados deveriam garantir o serviço diário, como habitualmente; logo, não faria sentido convocar qualquer reforço de pessoal suplementar. Mas… se ele acaba por ser necessário, isto significa que o serviço diário, habitual, assenta numa sobrecarga de trabalhos, em jornadas de muito mais de oito horas. Ao reconhecer que é necessário mais motoristas do que o habitual para o trabalho diário necessário… O GOVERNO RECONHECE, implicitamente, A RAZÃO DA GREVE DOS MOTORISTAS.” Paulo Morais

“Em solidariedade para com os seus colegas [que foram notificados], ninguém vai sair daqui hoje”, assegurou Pedro Pardal Henriques esta manhã em Aveiras de Cima, Lisboa.

“Ninguém vai cumprir nem serviços mínimos nem requisição civil, não vão fazer absolutamente nada”, sublinhou o também assessor jurídico Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). sapo.pt

Requisição civil da Galp

Raquel Varela

O que isto provou é que este país em matéria laboral é um atraso, confrangedor. Os trabalhadores não desrespeitaram os serviços mínimos. Limitaram-se a cumprir a lei, trabalhando 8 horas. E as empresas dependiam e dependem para sectores vitais de 14 e 15 horas diárias de cada um deles para assegurar o “regular abastecimento dos postos”. Sim, jornadas de trabalho regulares do século do XIX. E o que a Antram quer é continuar a usar as mesmas 14 e 15 horas de trabalho pagando 700 euros, mas uma isenção de horário de 280 euros, ou seja 900 euros por 50 a 75 horas semanais de trabalho. Agora pergunto, se este é um sector tão vital para a economia porque depende de horários de trabalho de 15 horas? E se é essencial ao país porque está entregue na mão de empresas privadas?

Reitero: há 20 anos estes homens trabalham numa empresa…

View original post mais 188 palavras

Turmas Mistas No 1.º Ciclo: Um Mal Necessário? — ComRegras

Turmas mistas no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Mais do que um ano de escolaridade na mesma turma, na mesma sala de aula…

No interior do país, há escolas com turmas com os quatro anos do 1.º Ciclo do Ensino Básico. Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), defende que este é um cenário a evitar porque “não beneficia nada nem ninguém”. “Quanto tal não for possível, devemos alocar a estas turmas ou às escolas respetivas, professores para apoio ou coadjuvação, por forma a que as consequência deste constrangimento seja anulado o mais possível. As escolas evitam, obviamente, mas as imposições legais obrigam à constituição destas turmas. Também acontece nas grandes cidades”, refere.

Faltou dizer que também há turmas em inconformidade com a lei, impostas mesmo com a discordância das direções.

professora contorcionista