O Que Interessa É A Quantidade?

…Até porque há quem defina a assiduidade em causa própria, sem controlo externo. Não apenas nas escolas… basta ter a sacrossanta “isenção de horário” de certas chefias.

O Meu Quintal

Confesso que nunca considerei que o “pensamento” ou a a “acção” de Alexandra Leitão primassem pela subtileza ou complexidade. Não são qualidades que lhe assentem no perfil. Pelo que não me espanta este regresso à lógica de associar a excelência no trabalho à quantidade de tempo nele gasto e não à qualidade ou produtividade no mesmo. E querer premiar a assiduidade como se ela fosse um critério determinante para a excelência. Pode ser e pode não ser. Trabalhar mais dias não significa trabalhar melhor; em muitas situações é exactamente o inverso. Mas há quem pense de forma simplória e demagógica e dê nisto. Já a a ex-ministra MLR no seu modelo original de ADD só permitia as melhores classificações a quem não faltasse, como se 750 fracas ou medianas aulas por ano fossem melhores do que 749 ou 745 medianas ou boas. Ou mesmo 740 globalmente muito boas. Como…

Ver o post original mais 120 palavras