Em Tempo De Crise… O Direito À Educação Continua – João Costa — ComRegras

O momento que vivemos, marcado por medo, angústia, incerteza, é inédito na história da humanidade. Um movimento global de decisões tomadas para a contenção da propagação de um vírus, com enormes implicações para os indivíduos, a economia, as instituições. Numa videoconferência recente entre os Ministros da Educação da União Europeia, ouvimos dizer que a Europa…

Em Tempo De Crise… O Direito À Educação Continua – João Costa — ComRegras

 Nenhum sistema educativo estava preparado. Não se transforma um sistema educativo 99% presencial num sistema educativo 100% remoto em três dias. São metodologias diferentes, são necessidades infraestruturais novas, são responsabilidades diferentes as que são exigidas aos alunos, aos encarregados de educação, aos professores. Estamos perante um dos maiores desafios que o nosso sistema educativo já enfrentou.

E é por ser mesmo um desafio enorme que vale a pena aplaudir os que revelam o melhor de si, o profissionalismo,, o espírito de missão e a vocação para ser professor. Na generalidade das escolas do país, sexta-feira dia 13 foi dia de avisos, recolha de contactos, conversas com os alunos. Na segunda-feira seguinte já todos se organizavam e ouvi relatos por todo o lado de experiências positivas. Estes são os nossos professores! Sem tempo para digerir a novidade, reinventaram-se para não abandonar os seus alunos. Merecem o nosso aplauso e reconhecimento…

Para os alunos do 3° e 4° anos

3°ano Ciclo do ovo

O rato do monte e o rato da cidade

4°ano

Mania das Pressas – António Torrado ( já executado por + de 279 alunos de todo o país)

Conjugação de verbos

Enigma Irresolúvel

A noite em que a noite não chegou – José Fanha.

O corpo humano

Resolve problemas

Zé Troca Tintas Já executado por 90 alunos de todo o país.

Gramática

História de Portugal (revisão)

Caravela Portuguesa de Jacinto Palma (ex professor do Magistério)

novo: perímetro e área , graus dos adjetivos , Um circo especial e História de Portimão

tutoria para saber um pouco sobre classroom do google

Testes em massa podem salvar vidas

ATENÇÃO A ESTE TEXTO!!!

É credível! É de Jorge Buescu, um grande matemático ligado a esta pandemia.

Partilhem muito e, sobretudo, façam chegar a quem tem poder neste país!

TESTES: TEMOS SOLUÇÃO EM PORTUGAL!

Os leitores perdoar-me-ão se deixar a análise aos números de hoje para segundo plano. Porque venho trazer-lhes uma mensagem de esperança que pode salvar muitas centenas ou milhares de vidas — mas exige acção imediata.

Muitos conhecerão de nome Maria Manuel Mota. Investigadora de primeiro plano mundial na área das Biociências e doenças infecciosas, em particular malária. Directora do Instituto de Medicina Molecular, onde trabalham mais de 600 pessoas. Prémio Pessoa em 2013.

Mais importante do que qualquer elemento curricular, a Maria Mota tem na mão uma chave para o problema da falta de testes COVID em Portugal. Conheço-a há muitos anos, falei com ela há pouco. Aqui segue o relato.

Os testes de detecção à COVID são fabricados essencialmente por duas empresas, a Roche e a Qiagen. Os kits de teste contemplam duas fases: extracção e amplificação por processo PCR, sendo os reagentes bem conhecidos. O problema, claro, já se sabe qual é: nós não produzimos estes reagentes, fomos ao mercado tarde, já não encontramos à venda e agora estamos a racionar (ou a “racionalizar” – neste momento os malabarismos retóricos são o que menos importa) os poucos que temos e a fazer muito, MUITO menos testes do que devemos. A Alemanha, cuja indústria produz os reagentes necessários, faz 500.000 testes por semana. Portugal esta semana fez 17.000. Tendo em conta que a população alemã é 8 vezes maior, temos um nível de testes que é 20% do alemão.

Que entre a Maria Mota.

Há 17 dias, alertada para o problema por dois médicos de Santa Maria, a Maria Mota colocou a a sua equipa no IMM a desenvolver uma alternativa portuguesa ao kit de teste. Foi, num certo sentido, muito simples: em vez de desenvolver um processo a partir do início, a Maria Mota pegou no protocolo publicado pela OMS e pelo CDC americano para os testes à COVID e adaptou-o à realidade portuguesa. Identificou os reagentes críticos em falta em Portugal para produzir um teste e concebeu alternativas. A alternativa existe em Portugal; a empresa que a produz, a NZY Tech, pode produzi-los em quantidade virtualmente ilimitada para todos os efeitos práticos.

Neste momento a Maria Mota já dispõe de um kit testado, que funciona perfeitamente na identificação quer de casos positivos quer de casos negativos. Felizmente para nós tem linha aberta para o Ministro da Ciência, Manuel Heitor, que compreende bem a urgência destes tempos, e que desbloqueou a situação. Obrigado por todos nós, amigo Manuel. Quando os tempos forem outros dar-te-ei um abraço muito apertado.

O kit foi testado e está certificado pelo Instituto Ricardo Jorge no sábado passado. Há dois dias foi validado pelo mesmo Instituto. Está pronto a ser aplicado em quantidades virtualmente ilimitadas. As limitações para a Maria Mota não são de número de testes disponíveis: são de mão de obra humana. O seu IMM tem neste momento capacidade para administrar 300 testes por dia, podendo talvez chegar aos 900 a 1000.

Isto são notícias extraordinárias. Temos um teste português, validado e certificado, que pode começar a produção em massa ONTEM. Podemos abrir centros de testes por todos o País e começar finalmente a política de testes massivos e rastreios sistemáticos recomendada pela OMS, que nunca seguimos. De que estamos à espera?

Dizia-me a Maria Mota que cada dia que passa conta. Se tivéssemos começado há uma semana tínhamos salvo muitas vidas. Já não vamos a tempo. Mas vamos a tempo de salvar muitas mais nas semanas que se avizinham e vão ser terríveis.

Ainda vamos a tempo de salvar milhares de vidas (e estou a medir as palavras). Mas temos de agir JÁ.

Senhores do Governo, do Ministério da Saúde, da DGS, de tudo quanto manda neste País: larguem os vossos papéis e agarrem na Maria Mota. Não interessam agora os vossos erros de avaliação do passado: não cometam agora o maior de todos. Dêem à Maria Mota tudo, TUDO o que ela pedir. E peguem nos kits dela, comecem a produção em massa daqui a uma hora, organizem a abertura urgente postos de teste de emergência nos pavilhões multiusos em todos os concelhos daqui a duas horas. Não queiram ser responsáveis por tudo: mobilizem a sociedade civil. Recrutem voluntários para administrar testes e realizar análises laboratoriais (que demoram 4 a 5 horas) entre estudantes de Medicina e Farmácia. Usem os estádios de futebol, os pavilhões desportivos, façam o que quiserem. Mobilizem as empresas para donativos, as indústrias para produzir, mexam-se. Organizem, não é para isso que servem os Governos? Mas DESPACHEM-SE! Não é para amanhã, é para ONTEM!

Porque cada dia conta, e cada hora perdida hoje representa mais mortos daqui a 15 dias.

Jorge Buescu, 27/3/2020

Teletrabalho

Em teletrabalho obrigatório, qualquer entidade patronal é legalmente obrigada a fornecer todas as condições e ferramentas ao funcionário para a normal e eficaz execução do trabalho em casa. – dito por um jurista na TV no dia seguinte ao da declaração do “estado de emergência”. Existem outras características legais contratuais (direitos e deveres) do teletrabalho…

Zoom

Morreu o professor da Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes, em Portimão, que estava infetado com Covid-19.

O professor, na casa dos 50 anos, estava internado no Hospital de Faro. Era colega da mãe da jovem de 17 anos que foi a primeira infetada no concelho de Portimão. Ambas contraíram o vírus numa viagem à Itália nas férias do Carnaval.


Morreu Manuel Magalhães, professor de Matemática

Uma Petição Que Faz Sentido

O Meu Quintal

Cada vez sou mais renitente a divulgar este tipo de iniciativas, mas esta merece-o, até por ser clara, sucinta e justa. E não implicar qualquer decisão da esfera governamental.

Homenagem aos que mantêm o país em funcionamento e ao 25 de Abril

Para: Órgãos de Comunicação Social (Rádios e Televisões)

Em virtude das circunstâncias extraordinárias que vivemos e na impossibilidade de se festejar de forma normal o 25 de Abril de 1974 e também da necessidade e desejo que sentimos de homenagear todos aqueles que têm mantido o país em funcionamento com riscos para si próprios e as suas famílias (os que estão envolvidos nos cuidados de saúde, na distribuição de bens essenciais, forças de segurança, órgãos de informação, serviços de água, luz, recolha de resíduos, etc.), vimos solicitar a vossa colaboração na realização da iniciativa que passamos a descrever de seguida. A nossa proposta é a de que no próximo…

View original post mais 42 palavras

Presidente Da República Avisa: “O Inverno Vai Ser Vivido Sem Vacina” — ComRegras

O título deste artigo esteve para ser “Será que vamos ter aulas presenciais em 2020?”. Mas como sei que muitos leitores ficam-se pelas letras gordas, talvez seja prudente não mandar mais lenha para a fogueira. Vou apenas apontar uma série de factos/notícias e o leitor que tire as suas conclusões: – Marcelo Rebelo de Sousa…

Presidente Da República Avisa: “O Inverno Vai Ser Vivido Sem Vacina” — ComRegras