Deixem as crianças em paz

Estamos agradecidos aos professores (embora uma ex-amiga pense que gracejo). Sinceramente agradecidos. Era preciso ficar em casa e eles acompanharam as nossas crianças, fizeram planos de aulas, aulas, exercícios, correções, vieram todos os dias, aturaram as crianças e alguns pais, subitamente despertos para a pedagogia ou intrusores crónicos das salas de aulas. 

Agora basta. Agora que já se sabe:

  1. que as crianças são raramente infetadas pela “coisa”
  2. que, quando adoecem, o fazem com pouca gravidade 
  3. que, ainda mais raramente, são a fonte do contágio

Agora deixem as crianças em paz…