Arlindovsky relembra promessa de Costa

Regime de aposentação para a monodocência, uma promessa com 3 anos

Palavra dada não é palavra honrada, é para encher chouriços e ganhar eleições. Três anos depois ainda estamos à espera do regime especial de aposentações dos monodocentes, das pré-reformas para todos os docentes… e assim se vai levando o povo no engodo das promessas.

Evidências

O Meu Quintal

Empregador arca com as despesas

Reivindicações que se enquadram no espírito da lei, segundo o especialista em direito do trabalho, Pedro da Quitéria Faria.

Defende que o Código do Trabalho é “cristalino” quanto a este assunto e explica que “na falta de estipulação no contrato, presume-se que os instrumentos de trabalho respeitantes a tecnologias de informação e de comunicação utilizados pelo teletrabalhador, pertencem ao empregador e este deve custear e assegurar a respetiva instalação e manutenção e o pagamento das inerentes despesas”.

Este especialista defende que, “apesar de serem trabalhadores com vínculo público”, em que o empregador é o Estado, muitos dos professores “têm um contrato individual de trabalho” e, por isso, “encontram-se a coberto do regime geral previsto no Código do Trabalho”, onde está estipulado a obrigação do empregador em custear as despesas.

Não existindo a disponibilização dos meios e tendo em conta as despesas em que os professores…

View original post mais 54 palavras

A história de Portimão

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdT47CaniYNaIaK7CCqXjjrLOIIQz4OQcsVJed37T3ksX1uaQ/viewform

Portimão, cidade alegre e luminosa, pelo clima, pela pesca, pela paisagem, pelas suas gentes. Tem uma história marcada por testemunhos, desde os mais antigos até aos nossos dias, que mostram a atividade do homem na sua relação com a terra, o rio e o mar.
A sua origem parece ser uma povoação pré-romana.
Fenícios, Cartagineses, Gregos, Romanos e Árabes teriam contribuído para a sua cultura e desenvolvimento. Portus Hanniballis, porto Magnus e Porcimunt teriam sido os seus nomes.
Da povoação piscatória terá nascido a Vila Nova de Portimão a que D.Afonso III deu foral.
Com o início das descobertas, a vila cresce como centro piscatório, comercial e da construção naval. Portimão torna-se uma zona estratégica na foz do rio Arade, porto de caravelas nacionais e estrangeiras.
A nobreza começa a instalar-se no burgo. Foi entregue por D. Afonso V à família Castelo Branco. Martinho Castelo Branco, terá sido o 1º Conde de Vila Nova de Portimão.
Portimão é sede de concelho em 1773 e em 1924, é elevada a cidade, pelo então presidente da Republica, Manuel Teixeira Gomes.
No século XIX as fábricas de conservas contribuíram para o crescimento de Portimão.
A partir dos anos 60 do século XX, foi a componente turismo que permitiu a expansão e dinamização do espaço urbano.

Foto antes da marina de Portimão

Reformas E Remédios (1) | Benuron Na Pandemia E Também No Escolar – Correntes — ComRegras

É recorrente a febre com que se “anuncia a roda” (ou novos paradigmas) no sistema escolar; e talvez daí a intemporalidade do benuron. Mas o que é engraçado, e sem ter graça nenhuma, é que passa o tempo e recuperam-se ideias antigas como se fossem novidades.

Reformas E Remédios (1) | Benuron Na Pandemia E Também No Escolar – Correntes — ComRegras

Parece um percurso circular alimentado por uma indústria que facilita surtos epidémicos. Escrevia, algures em 1998, para uma revista sobre educação. Pediram-me que escrevesse sobre reformas. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” – medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais -, e que nem por acaso é o medicamento da Covid-19, inspirei-me no folheto e fui andando. Foi uma noite bem passada. 22 anos depois publico de novo (“desafiado” por um comentário de Rui Farpas de Mascarenhas no facebook). É a 3ª vez que o faço em 16 anos de blogue e talvez não seja a última. Quem acompanha o blogue há muito já deve ter lido. Mas se não estiver com muita pressa, leia que talvez se divirta. Confesso que me impressionou a actualidade dos 16 remédios onde até se antecipavam (1998), no remédio propedêutico, os efeitos nos alunos das escolas por internet ou televisão.***Interdisciplinaridade.

Registo da patente: acredita-se que teve início da década de 80, mas sem registo da patente devido à provisoriedade dos diversos governos de então. 

Composição: a plenitude dos saberes integrados. 

Indicações terapêuticas: eliminar todos os bloqueios que impedem a comunicação entre os diversos saberes…

Muito Pelo Contrário

O Meu Quintal

Havia quem dissesse que, com o passar do tempo e a habituação às plataformas, os alunos começariam a realizar as tarefas de forma mais regular e com maior qualidade. Nada de mais errado. Cada vez as coisas chegam mais atrasadas ou nem chegam e grande parte do que chega tem o aspecto de “deixa lá despachar isto com o menor esforço possível”. Não encerro tarefas, pelo que ainda me aparecem coisas com 26 ou 35 dias de atraso. Mas, ao menos, essas ainda aparecem. E estou a referir-me a quem até tem alguns meios para responder.

Quanto às aulas presenciais, amanhã começa nova semana e também por aí tenho relatos (dois deles em primeira mão) de uma redução das presenças dos 80-90% iniciais para os 60-70%.

O remendo não tapou o buraco. Finge-se que.

Remendo

View original post