Tolerância de ponto | Colégios queriam dar aulas, mas o Governo não autorizou — ComRegras

Aulas à distância, fica desde já a ressalva. Apenas um breve comentário. Em primeiro lugar realçar que o esforço deve ser coletivo e não apenas de uns. Num combate a uma pandemia não existe, ou não deveria existir, diferenças entre ensino privado e público Mas também é verdade, que o ensino à distância não agrava…

Tolerância de ponto | Colégios queriam dar aulas, mas o Governo não autorizou — ComRegras

Há turmas a funcionar com aluno(s) positivo(s) em casa

Uma falta de respeito pela saúde de professores e familiares dos restantes alunos. Uma vergonha nacional! Greve, greve venha de que sindicato vier.

https://m.facebook.com/groups/426841044732138/permalink/853080502108188/?anchor_composer=false

imagem de Anabela Magalhães

Notícias sindicais por António Duarte

https://escolapt.wordpress.com/2020/11/22/9-a-11-de-dezembro-greve-de-professores-a-vista/#comments

A Fenprof está a realizar uma consulta aos professores, pela internet e nas escolas, para perceber que ações de luta defendem. Nogueira revelou que responderam cinco mil professores com 88,8% a defender que se deve avançar na luta devido a problemas relacionados com a situação socioprofissional, de carreira e das condições de segurança e sanitárias nas escolas. A maioria das respostas obtidas até agora é favorável à realização de uma greve, garantiu o dirigente, mas só no dia 25 termina a consulta.

Apesar disso, Mário Nogueira deixou claro que a decisão de avançar está tomada. A confirmar-se, a paralisação vai decorrer por regiões (Norte, Centro, Grande Lisboa e Sul), embora o pré-aviso esteja redigido por forma a que qualquer professor possa realizar greve nos três dias. Nogueira defendeu que a proposta de Orçamento do Estado é uma oportunidade para renovar o corpo docente e reverter a desvalorização da carreira.

Concorda com o encerramento das Escolas a 30 de novembro e 7 de dezembro? — ComRegras

Não altera nada, mas julgo que a melhor forma de lidarmos com o que nos está a acontecer é ter a possibilidade de emitirmos a nossa opinião e exprimir o que sentimos. 44 mais palavras

Concorda com o encerramento das Escolas a 30 de novembro e 7 de dezembro? — ComRegras

Para ficar em casa, não muito obrigado! Mas como tem de ser, descansar é o único remédio.

Pontes Pandémicas

 Creches e pré-escolar estarão de portas fechadas nas vésperas dos feriados de 1 e 8 de dezembro. Assim o diz o decreto-lei, agora publicado, que regulamenta a aplicação do estado de emergência decretado pelo presidente da República.

De acordo com o referido decreto, “ficam igualmente suspensas as atividades letivas e não letivas e formativas em estabelecimentos de ensino públicos, particulares e cooperativos e do setor social e solidário de educação pré-escolar, básica, secundária e superior e em equipamentos sociais de apoio à primeira infância ou deficiência”. Refira-se que no apoio à primeira infância estão as creches, com crianças até aos três anos de idade, seguindo-se o pré-escolar, a última etapa para chegar ao Ensino Básico (a partir dos seis anos de idade).

O Meu Quintal

A 30 de Novembro e 7 de Dezembro. Mas com limitações de deslocação. E o actual PM antes até tinha dito o óbvio… algo como “quanto mais nos deslocamos, maior o perigo de contágio”.

Quanto ao mapa do “risco”, seria muito, mas mesmo muito importante, que a incidência de casos fosse segmentada de acordo com a origem dos surtos. Mais detalhes aqui.

View original post

Porque Será Que Isto Não Me Espanta (E Muito Menos Que Os Números Estejam Subavaliados)?

O Meu Quintal

Basta olhar à volta e falar com as pessoas, phosga-se!

Casos de covid-19 entre crianças até aos nove anos sobem 66%. DGS diz que há 477 surtos em contexto escolar

Maior parte dos focos de contágio está em Lisboa e Vale do Tejo. Secretário de Estado da Saúde divulga novos dados sobre pandemia em contexto escolar, depois de três semanas sem actualização.

View original post

Escolas a Tempo Inteiro – Paulo Prudêncio

É sensato interromper as aulas a cada quatro semanas para recuperar energias; mais ainda em tempos de pandemia. É um modelo usado em muitas regiões da Europa onde há mais sociedade para além da escola a tempo inteiro.

Com a subida exponencial de infectados no grupo etário entre os 10 e os 19, tornou-se consensual e mais evidente a dificuldade em assegurar os tais 3 c´s em escolas e salas de aula lotadas (uma turma de 20 contacta com 800 pessoas em 48 horas); e no exterior, nos transportes e nas habitações. Portanto, os jovens podem fazer o percurso com o vírus da escola para casa ou vice-versa com o registo de infectados quase sempre contabilizado como “no seio da família”. Para além disso, as turmas numerosas inscrevem uma exigência suplementar inteligível para quem lecciona e perceptível sem esforço para os restantes. E a exaustão dificulta o rigor. Por tudo isso, também se torna menos compreensível o calendário escolar português que legislou mais dias lectivos e menos dias de interrupção como única adaptação a uma mais que provável segunda vaga. Ainda estamos a tempo de um ajustamento.

Paulo Prudêncio – Correntes