Greve na E.B. 2,3 Inês de Castro

GREVE encerra Escola E.B. 2,3 Inês de Castro. Estiveram presentes vários media que transmitiram em direto (RTP, SIC, Antena 1)

Solicitamos a todos os Profissionais de Educação que nos informem de mais escolas encerradas até dia 4 de dezembro para o email: s.to.p.sindicato@gmail.com (garantimos anonimato).

JUNTOS SOMOS + FORTES!

Uma injustiça pequenina

Alunos da mesma turma discriminados pela idade. Os que completaram 10 anos usam máscara.

Professores da mesma idade discriminados pela idade. Os que completaram 55 anos uns meses antes da lei que pôs termo ao regime especial de aposentação gozam aposentação há quase 15 anos. Estes docentes tiveram um regime especial de aposentação até 2005, em virtude de não usufruírem redução da componente lectiva, o qual foi revogado (Lei n.º 60/2005 e Decreto-Lei n.º 229/2005) e desde então nada se fez para corrigir esta desigualdade, continuando estes docentes, segundo algumas análises, aos 40 anos de serviço, a cumprir o equivalente a mais 16,5 anos letivos do que os restantes docentes.

Vergonha nacional…cidadãos de 1a e de 2a

Luís Sottomaior Braga no facebook

Texto resumo para explicar porque faço greve. É só uma lista…..mesmo assim ficou grande…

Hipocrisia do governo, desrespeito à educação pelas pseudoelites dirigentes do país, insegurança sanitária nas escolas com o covid, falta de condições materiais de trabalho, pagamento do material para trabalhar (computadores, net, papel, software, até canetas), injustiça salarial, sistema de avaliação injusto, roubo do tempo de serviço e não progressão na carreira, desigualdade salarial na profissão (a trabalho igual salário igual, não é?), falta de assistentes operacionais, falta de audição pelo governo para os problemas, falta de respeito pelos problemas de segurança e indisciplina, a minha escola ainda tem amianto, falta de consideração pela necessidade de renovação da profissão (prazo de reforma e admissão de contratados), excesso de cobrança na ADSE, desrespeito pelos professores contratados (norma travão, corte nos descontos para segurança social e corte nas contagens de tempo de serviço).

ETC
Faço greve porque é um direito, que o Estado de emergência não limita e que até torna mais urgente, como meio de sinalizar o que está tão mal e mesmo com sacrifício do salário que, como a toda a gente, faz falta.

E já sei que vamos ouvir bocas dos colegas conservadores ou até reaccionários que acham que as greves estão sempre mal ou até que deviam ser proibidas. E talvez, com tristeza, de alguns pais que, preocupados com o imediato do dia-a-dia, preferem não ver o quadro geral da degradação lenta da educação nacional. E não é culpa dos professores, que são antes vítimas preferenciais do desgoverno e incompetência, de quem faz propaganda negativa contra nós para sustentar más políticas ou até para lançar uma vaga privatizadora que vai anular o bem público que é uma escola pública acessível a todos.

E depois haverá os simpatizantes dos governantes, que usarão, em propaganda, esses descontentamentos contra quem ainda não se conformou ao estado negativo da situação e continua a lutar pela melhoria e pela Educação a que temos direito.

Faço greve, por mim, pela profissão que escolhi há 25 anos, pela minha escola, pelos meus alunos e pelo país que não merece que a Educação caminhe assim, coxa e trôpega, pela mão de um ministro incapaz, mantido por um primeiro ministro desinteressado do que devia ser a prioridade nacional. #educacao #escolas #professores #greve #stop #fenprof #sindicatos #contratados #amianto