Desconfinamento: Segunda fase

Portugal entra, a partir desta segunda-feira na segunda fase do plano de desconfinamento, que era para arrancar apenas em setembro, mas foi antecipada devido ao avanço da vacinação.

O anúncio foi feito na sexta-feira passada, pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, depois de um Conselho de Ministros extraordinário, convocado para discutir um alívio de regras.

Assim, foi preparado um conjunto de novas medidas, para além das gerais, que entram em vigor já a partir de hoje, dia 23 de agosto. Saiba tudo o que muda (e o que se mantém):

Regras Gerais

1.Em todo o país, comércio, restauração e espetáculos culturais mantêm-se com horários normais (até às 2h da manhã), cumprindo as regras da Direção Geral da saúde (DGS).

2.O certificado digital ou teste negativo continua a ser exigido em viagens por via aérea ou marítima, mas também em estabelecimentos turísticos ou de alojamento local e na restauração ao fim de semana e feriados. A regra aplica-se ainda a ginásios para aulas de grupo, termas e SPAS e casinos e bingos.

Segunda fase (23 de agosto)

1.Restaurantes, cafés e pastelarias passam a ter oito pessoas por mesa no interior e 15 em esplanadas;

2.Os espetáculos culturais aumentam de lotação para 75%, bem como eventos, nomeadamente casamentos e batizados;

3.Transportes deixam de ter limite de lotação;

4.Estabelecimentos comerciais passam a ter uma lotação de oito pessoas por cem metros quadrado (em vez de cinco);

5.Serviços públicos sem necessidade de marcação prévia (só a partir de 1 de setembro).

Aquando do anúncio de novas regras a governante disse também que o Governo decidiu decretar, em Conselho de Ministros, o estado de contingência em todo o país, saindo da situação de calamidade anterior.

“O Governo hoje aprovou uma resolução de Conselho de Ministros que decreta o estado de contingência em todo o país”, afirmou. “Chegou a altura de olhar para as medidas e passar à próxima fase”, acrescentou Mariana Vieira da Silva.

Teletrabalho deve manter-se sempre que possível 

O Governo encontra-se a elaborar as normas que vão reger o próximo ano letivo, segundo Mariana Vieira da Silva. “O ministério da educação, o da saúde e os seus serviços estão a trabalhar nas normas que serão comunicadas às escolas antes do regresso dos professores, a 1 de setembro”,