O Sotavento adquire uma espinha dorsal

Retomando a narrativa sobre as transformações na paisagem algarvia nesta época (finais do sec. XIX), Jacinto Palma Dias prossegue:

“Mas essa segunda revolução, agora agrícola, já tinha começado antes, no Sotavento, aproveitando a escala dos vapores ingleses em Vila Real. Pela primeira vez, havia não apenas mercado com o – e sobretudo – transporte para se lá chegar. E foi assim que aqueles areais que rodeavam Vila Real de Santo António e que Link qualificará no fim do séc. XVIII como” desertos”(1) foram rapidamente aplanados, povoados e preenchidos com noras e sistemas de regadio em alvenaria, de modo a produzir melancias e laranjas para enviar para Inglaterra. Quando o comboio chega em 1906 já o trabalho de casa estava feito. É agora a vez do Sotavento se mostrar. Dotado de uma faixa de Barrocal muito estreita, pouca cortiça, aridez extrema sobre terrenos de xisto pouco aráveis e uma iniciativa estatal falhada (Pombal/ Vila Real), o Sotavento era uma constante de seculares esvaziamentos demográficos (2). De repente, com a escala dos barcos ingleses, bem como a linha férrea V. Real/ Faro (Lisboa), o Sotavento adquire uma espinha dorsal que o revelará, subitamente, como a primeira zona de primores do país no que diz respeito ao abastecimento a Lisboa.”

Jacinto Palma Dias

Algarve Manifesto. Págs. 48/49

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s