Sopas depois de almoço

Tribunal-diz-que-imposição-de-serviços-mínimos-sobre-a-greve-dos-professores-não-foi-razoável

33473157_1982966322018180_4667388754959269888_n

 

Advertisements

Orientações Curriculares Para As TIC No 1.º Ciclo — ComRegras

A Direção-Geral da Educação divulga as Orientações Curriculares para as Tecnologias da Informação e Comunicação que, desde a sua génese, teve o contributo dos… 209 mais palavras

via Orientações Curriculares Para As TIC No 1.º Ciclo — ComRegras

Motta – comentário no Quintal do Guinote

Dá-se o caso, curioso, a propósito do qual já escrevi aos grupos parlamentares do BE e do PCP, questionando o facto tão euforicamente badalado, de, para o ano, termos cidadãos a aceder à reforma com 60 anos de idade e 40 de tempo de serviço em condições mais vantajosas que as actuais (apesar das violentas penalizações) e, tantos outros, com mais de 60 anos e mais de 40 de serviço que não o podem fazer. Obviamente que quem não tiver os quarenta aos sessenta agora, nunca os vai ter. É óbvio também que qualquer professor, em condições “normais”, ou seja, que começou por investir na sua formação inicial, não cumpre este requisito. Esta medida, que levou ao orgasmo os dois partidos acima referidos foi pensada com os professores no horizonte. Esta caça ao professor velhote nem merece comentários. Cada um tirará as suas conclusões, que não devem ser muito diferentes das minhas…

19248147_10209631307801047_2233268456536633036_n

Alexandre Lima é o novo delegado regional de Educação no Algarve

c3adndice.jpgAlexandre Martins Lima é o novo delegado regional de Educação, depois da exoneração de Francisco Marques desta Direção de Serviços da Região do Algarve da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE).

Francisco Manuel Marques, nomeado em 16 de Fevereiro de 2015, mantinha-se em funções de forma ilegal há um ano e nove meses, depois de o concurso que o selecionou ter sido anulado. Na mesma situação ilegal, estava o delegado regional do Alentejo, Manuel Barroso, igualmente exonerado agora pela secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão.

O anterior delegado do Algarve estava a ser alvo de dois processos disciplinares por alegado comportamento indevido e por uso indevido de viatura para fins pessoais, abertos pela Inspeção-Geral da Educação, mas não terá sido essa a razão direta da sua exoneração.

No site da DGEstE, um despacho da diretora-geral explica que, ao novo concurso, houve 10 candidatos, «tendo ficado provido no cargo o Mestre Alexandre Martins Lima, com efeitos a 10 de outubro de 2018».

Ontem, o novo delegado regional de Educação esteve presente na cerimónia de receção aos professores do concelho de Portimão, que contou com a presença da secretária de Estado Adjunta e da Educação. Na ocasião, Alexandra Leitão aproveitou para saudar o recém nomeado responsável regional.

Opinião – A remodelação que não chegou à Educação – Santana Castilho — Blog DeAr Lindo

A remodelação que não chegou à Educação Que mostra a remodelação, para além de António Costa pensar que com ela atirou para o limbo do secundário Pedrogão Grande, Tancos, Infarmed, ERSE, professores e demais instrumentalizações impúdicas de quem já se julga o novo dono disto tudo? Os factos asseveram que quanto mais explícito for o apoio de António Costa a qualquer ministro, maior é a possibilidade de rapidamente ser cuspido do Governo. Com efeito, dois dias depois de lhe manifestar apoio público (apesar do estrondoso falhanço da protecção civil, cifrado em mais de 100 mortos), Costa atirou Constança Urbano de Sousa pela borda fora.

Pouco tempo volvido sobre a recomendação categórica para que tirássemos “o cavalinho da chuva”, veio a vaquinha voadora da remodelação e Adalberto Campos Fernandes foi nas águas, solidário com o patusco Azeredo Lopes que, horas antes, tinha sido classificado por António Costa como um “activo importante” do Governo.

A saída do secretário de Estado da energia, Jorge Seguro Sanches, que exigiu à EDP a devolução de 285 milhões de rendas excessivas (contratos CMEC) e criou uma taxa sobre as renováveis, aliviou providencialmente o “irritante” com a China Three Gorges.

Trocando os superiores interesses do Estado pelos inferiores interesses da política partidária, António Costa manteve em funções Tiago Brandão Rodrigues, o pior ministro do Governo. Perdeu, assim, a última oportunidade na legislatura para tranquilizar o sector, dotando-o com um ministro que soubesse organizar e gerir a confusão actual, definindo políticas sérias e adequadas, com os professores e nunca contra os professores. António Costa, que fala abundantemente da qualificação dos portugueses, voltou a ignorar que o serviço público da Educação depende criticamente do respeito que ele, o Governo e o país tenham pelos seus professores…

via Opinião – A remodelação que não chegou à Educação – Santana Castilho — Blog DeAr Lindo

“Antes de se realizarem todas as ideias são utópicas” Sartre

ec563-25d1258125d025b8-25d1258325d1258d25d12582-25d025ba25d025b025d1258125d025b025d025bd25d025b825d1258f-25d025bc25d025b0-25d1258c25d1258725d025b825d025ba25d025b0

Nas escolas há meninos que se pensa impossível aprenderem a ler. Pode ser insuficiente a estratégia utilizada perante as dificuldades. A burocracia, a pompa e circunstância das identidades escolares que circundam as salas de aula da escola portuguesa, afastam a colaboração direta de quem tem a experiência, não lhe dão o tempo necessário de produzir pequenos milagres.

Receção aos professores do Concelho de Portimão

A Câmara de Portimão vai promover uma receção aos professores do município, para o ano letivo 2018/2019, esta quarta-feira, dia 16 de Outubro, 18h00, no Hotel Alvor Praia.

Salienta-se a presença nesta cerimónia, da presidente da câmara, Isilda Gomes, da  secretária de estado Alexandra Leitão, e da coordenadora Concelhia das bibliotecas escolares Paula Correia. O coro juvenil “Adágio“, dirigido pelo maestro António Alves, animou musicalmente o evento.

portimao

 

Maria do Rosário, professora

‘No silêncio estridente da noite, o pensamento viaja, detendo-se num ou noutro detalhe. Retalhos de mais um dia. Tentei, sério que tentei mais uma vez que aprendessem, que escutassem, que quisessem a educação como um bem precioso nas suas vidas. Incrível como resistem às aprendizagens! Das mais simples às mais complicadas. Sinto que não vou chegar a todos, que cada vez são mais os que me escapam por entre os dedos. O maior objetivo de muitos é conseguir deixar de estudar. A escola é uma “seca”. “ Mas então porque vens?” “Porque me obrigaram.” Pois é, afinal estudar não é uma brincadeira, dá trabalho. E agora? Tantos anos a dizer às crianças que era só ir para lá que o resto acontecia, quase como respirar. Sinto um desencanto imenso nestas alturas. E se continuo a lutar todos os dias, de todas as formas que sei, é por aqueles que querem e que são o nosso oásis neste deserto de sonhos. Luto por todos os sonhos que sonhei há muitos anos, por todos os sonhos que alguns ainda querem sonhar hoje…mas hoje estou cansada, muito cansada. Às vezes é muito difícil não baixar os braços…’
Maria do Rosário, professora do 2º Ciclo do Ensino Básico
29/9/2018

ac18d-fotos2bindisciplina2bescolar

Opinião de Mário Silva sobre o OE

Este OE mostra que houve 2 derrotados: os professores e os utentes do SNS.
O comentador-mor MST até afirmou que o ministro da educação não foi remodelado porque o PM ganhou na opinião pública a batalha com os professores. O que vier a seguir é a reedição da malfadada época de 2008, com manifestações de protesto para moer politicamente o governo, mas sem efeitos práticos na carreira.
Quem precisa do SNS, vai continuar a ser mal servido, com um sistema sem recursos e não se vislumbrando melhorias a curto e médio prazo.

Haddock

A 29 de outubro começa uma greve com prazo indeterminado

24775184_10204119238496607_7511029860953290909_n

As organizações sindicais de professores e educadores entregaram no Ministério da Educação, e fizeram seguir para outras quinze entidades, pré-avisos de greve diários, o primeiro dos quais para 29 de outubro. Desta forma, para cada dia fica convocada uma greve que incidirá sobre as “reuniões de avaliação intercalar dos alunos, caso as atividades da escola não sejam interrompidas para o efeito. A greve incidirá, ainda, sobre as reuniões de conselho pedagógico, conselho de departamento, conselho de docentes, conselho de turma, bem como as reuniões convocadas para a implementação do DL 54/2018 e do DL 55/2018, sempre que as mesmas não se encontrem expressamente previstas no horário de trabalho dos docentes. Também é abrangida por este aviso prévio a frequência de ações de formação a que os professores estejam obrigados por decisão das escolas ou das diferentes estruturas do Ministério da Educação, quando a referida formação não seja coincidente com horas de componente não letiva de estabelecimento marcada no horário do docente e, não sendo, a convocatória acompanhada de informação concreta de dispensa daquela componente não letiva de estabelecimento. Por último, a greve abrange as atividades de coadjuvação e de apoio a grupos de alunos, em todos os casos em que as mesmas não se encontram integradas na componente letiva dos docentes”.

Com esta greve, os professores contestam a decisão unilateral do governo de eliminar mais de seis anos e meio da sua vida profissional para efeitos de carreira, bem como todas as ilegalidades impostas  no âmbito do horário de trabalho, obrigando-os a cumprir mais horas de trabalho do que as estabelecidas em lei, o que viola o limite de 35 horas semanais. Para os professores, é intolerável que o mesmo governo que elimina anos de trabalho aos professores imponha, em cada ano, horários que o agravam em 30%.

As organizações sindicais admitem convocar greve para todos os dias até final do ano letivo, podendo, contudo, deixar de o fazer a partir do momento em que o governo aceite contabilizar integralmente, para a carreira, todo o tempo de serviço cumprido durante os períodos de congelamento, num total de 9 anos, 4 meses e 2 dias.

Recorda-se que o adiamento do início da greve ficou a dever-se ao facto de o Ministério da Educação, através de NOTA emitida pelo gabinete do ministro da Educação ter ameaçado os professores com a injustificação de faltas, procurando, dessa forma, obstruir o exercício de um direito constitucional pelos docentes, no caso, o direito à greve, razão que merecerá, das organizações sindicais de docentes, a adequada ação em tribunal.

 

Lisboa, 15 de outubro de 2018

As organizações sindicais de professores

Consulte o Pré-aviso de greve para dia 29 de outubro

 

 

OE 2019 | O Que Já Se Sabe Sobre Educação E Funcionários Públicos — ComRegras

Alívio dos cortes nas reformas antecipadas

No próximo ano acaba uma das penalizações aplicadas a quem se reformar antes da idade legal da reforma (66 anos e cinco meses): vai deixar de existir o fator de sustentabilidade que existe desde 2008 e que tinha como objetivo introduzir, no cálculo das pensões, a ponderação da evolução da esperança média de vida. A partir de janeiro, quem se reformar aos 63 anos, com 40 anos de carreira contributiva, vai deixar de ter o corte de 14,5% (valor de 2018) relativo ao fator de sustentabilidade. E, em outubro, esta penalização deixa de existir também para quem se reformar aos 60, com 40 anos de descontos. Mantém-se, no entanto, a outra penalização para as reformas antecipadas e que consiste num corte de 0,5% por cada mês que faltar para a idade da reforma…

via OE 2019 | O Que Já Se Sabe Sobre Educação E Funcionários Públicos — ComRegras